CW CPA logo 350x100

+852 2956 3798

cw@cwhkcpa.com

Perspectivas econômicas da China em 2024

Embora os espectadores de todo o mundo tenham depositado grandes esperanças de que a China conseguisse uma recuperação rápida e acentuada da atividade econômica, a roda da fortuna girou mais lentamente do que o esperado após sua reabertura pós-Covid. Um coquetel de desafios urgentes, incluindo o consumo moderado e a queda no mercado imobiliário, continua a obscurecer as perspectivas de recuperação da China. Apesar de uma trajetória um tanto acidentada no ano passado, a segunda maior economia do mundo conseguiu atingir sua meta de crescimento de 5%, expandindo 5,2% em relação ao ano anterior para RMB 91,3 trilhões.

2023 em resumo

Embora o crescimento tenha sido irregular em 2023, o ano anterior não foi de forma alguma um portador de más notícias. O governo chinês implementou uma série de medidas de estímulo com o objetivo de reacender a demanda e aumentar a confiança do consumidor. Essas políticas implementadas nos três primeiros trimestres de 2023 levaram a uma recuperação sustentada, embora provisória, da economia. Em particular, houve uma aceleração acentuada do crescimento durante o segundo trimestre de 2023. A China registrou a taxa de crescimento mais rápida desde o mesmo período em 2021, com seu PIB subindo para 6,3% em relação ao ano anterior somente no segundo trimestre de 2023. Além disso, o PIB no terceiro trimestre cresceu 1,3% em relação ao mês anterior, o que foi 0,8 ponto percentual maior do que no trimestre anterior. 2023 terminou com uma taxa de crescimento anual de 5,2% no último trimestre. Graças a um desempenho mais robusto do que o esperado, o FMI revisou para cima a projeção de crescimento do PIB da China para 2024, de 4,2% para 4,6%.

É evidente, no entanto, que a base da recuperação econômica da China ainda é instável. Ao vislumbrarmos as profundezas de 2024, fortalecer a base envolverá enfrentar de frente os desafios em evolução para garantir um crescimento resiliente. Entre esses desafios, estão as crescentes pressões deflacionárias, a demanda doméstica sem brilho e um setor imobiliário em dificuldades. É provável que esses fatores predominantes continuem a lançar uma longa sombra sobre a recuperação da economia da China em 2024.

O caminho a seguir não está definido em pedra

Alguns especialistas argumentaram, entretanto, que a singularidade da economia chinesa desafia uma caracterização única de seus dilemas atuais. A natureza multidimensional de sua economia é sintetizada não apenas por seu tamanho, mas também por suas vastas disparidades regionais e setoriais. Para comparar, a economia chinesa de US$ 18 trilhões é maior do que o PIB combinado de todos os países da União Europeia e seis vezes maior do que as dez economias da Associação das Nações do Sudeste Asiático (“ASEAN”). Com base nos últimos números publicados pelo Fundo Monetário Internacional (“FMI”), a China representa aproximadamente 18,5% da economia global e contribui com cerca de 35% da expansão econômica mundial.

Portanto, seria prematuro declarar peremptoriamente que os desafios vieram para ficar. Em vez disso, elas refletem mudanças estruturais mais amplas que começaram após a conclusão do aumento explosivo de crédito e investimento de 2008 a 2016. Em essência, os elementos que sustentaram o rápido crescimento da China provavelmente não serão reproduzidos em um futuro próximo. O dínamo econômico do mundo está atualmente em meio a uma profunda transformação. Ele está recalibrando seu curso em direção a um crescimento sustentado de alta qualidade, impulsionado pelo consumo. Os antigos motores de crescimento que impulsionaram a China ao estrelato global devem dar lugar a alternativas mais centradas no consumo e na tecnologia.

Mudança para um modelo de crescimento baseado no consumo

Em setembro de 2023, o FMI pediu à China que adotasse um modelo de crescimento baseado no consumo e se distanciasse dos investimentos tradicionais em ativos fixos. De acordo com a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, essa última opção é insustentável e “improdutiva” no clima atual. Está claro, tanto para a China quanto para o mundo, que o crescimento induzido por investimentos, impulsionado por moradias e infraestrutura, já teve seu tempo. A grande mudança de marcha exigirá o aumento da parcela do PIB atribuída ao consumo. Isso exige uma aceitação radical de uma queda no crescimento do PIB. Ele deve ser adotado como um subproduto necessário para alcançar uma trajetória de crescimento mais sustentável e equilibrada no longo prazo.

O consumo contribuiu para 4,3% do crescimento do ano passado, enquanto o investimento foi responsável por 1,5%. Houve alguns pontos positivos na frente de gastos do consumidor, já que o setor de serviços da China está começando a mostrar sinais incipientes de recuperação. Em dezembro de 2023, a atividade no setor experimentou sua expansão mais rápida em cinco meses. O índice dos gerentes de compras de serviços do Caixin para dezembro de 2023 – um indicador composto que mede a saúde do setor de serviços – mostrou uma melhora notável de 52,9, acima dos 51,5 do mês anterior. O número ultrapassou a marca crítica de 50 pontos que distingue a expansão da contração. Além disso, o resultado superou a expectativa de 51,6, conforme previsto pelos economistas pesquisados pela Bloomberg.

Para escrever o próximo capítulo de sua narrativa sobre o consumidor, a China precisa reavivar seu sentimento de consumidor silenciado. Além disso, ela precisa aprender a navegar pelas mudanças drásticas no paladar dos compradores domésticos, bem como no cenário demográfico. De acordo com uma pesquisa realizada no ano passado, espera-se que mais 80 milhões de pessoas entrem para a classe média e a população abastada da China. Esse segmento, que abrange quase 40% da população total da China, está pronto para emergir como um baluarte duradouro do mercado consumidor chinês.

Grande impulso para o investimento estrangeiro

Na cúpula do Fórum Econômico Mundial realizada em Davos em janeiro deste ano, os delegados foram informados enfaticamente de que a economia chinesa estava aberta para negócios, com muitas oportunidades para investimentos estrangeiros. No entanto, no local, a confiança dos investidores parece estar mais moderada. Em 2023, o investimento estrangeiro direto (“IED”) na China sofreu uma queda pela primeira vez em mais de uma década. O fluxo de IED para o país totalizou RMB 1,13 trilhão no ano passado, marcando uma redução de 8% em relação ao ano anterior e a primeira contração desde 2012. Além dos fatores cíclicos, a reconfiguração das cadeias globais de valor fora da China é um fator estrutural importante que contribui para a desaceleração dos fluxos de IED.

De acordo com um relatório da Economist Intelligence, espera-se que os influxos de capital se recuperem no final de 2024, mas eles se concentrarão principalmente em investimentos de portfólio de curto prazo. Por outro lado, é improvável que as empresas estrangeiras mudem sua abordagem cautelosa, retendo quaisquer investimentos pesados. Embora se projete uma recuperação nos fluxos de IED para a China em 2024 – graças à redução das pressões de desinvestimento -, o nível geral será modesto em comparação com os patamares observados antes da pandemia.

Em uma tentativa de revitalizar o cenário de investimentos estrangeiros, o Conselho de Estado da China emitiu um plano de 24 pontos em agosto de 2023. As diretrizes incorporam o compromisso da China de manter sua abertura de alta qualidade. Ele promete aproveitar totalmente sua enorme base de consumidores e maximizar a utilização eficiente do investimento estrangeiro. Além disso, ele se compromete a promover um ambiente de negócios que seja orientado para o mercado, juridicamente sólido e internacionalmente integrado. Abrangendo seis aspectos, os 24 pontos cobrem uma ampla gama de medidas. Isso inclui a promoção da participação de investidores estrangeiros em empreendimentos de pesquisa em larga escala e a garantia de igualdade de condições para empresas nacionais e estrangeiras. Além disso, a ênfase é colocada no aprimoramento dos mecanismos de proteção para empresas estrangeiras e no aumento do fornecimento de apoio fiscal.

Desafios imobiliários

O setor imobiliário tem sido o calcanhar de Aquiles da recuperação econômica da China. Durante muito tempo, os compradores de imóveis chineses acreditaram que os imóveis eram um investimento à prova de falhas. Essa visão firme fez com que o setor imobiliário se tornasse a pedra angular da economia chinesa, responsável por cerca de um quarto de sua produção econômica. O motor do setor imobiliário começou a engasgar e estagnar depois que um conjunto de regras foi introduzido em 2020, com o objetivo de restringir os empréstimos desenfreados das incorporadoras imobiliárias. Com acesso limitado a fontes de financiamento de dívidas, as incorporadoras tiveram dificuldades para pagar os empréstimos e concluir a construção de imóveis que haviam sido pré-vendidos a compradores de casas.

Desde 2022, o setor imobiliário da China tem exercido pressão para baixo sobre o crescimento econômico do país e contribuído para sua recente desaceleração econômica. Espera-se que o investimento em ativos fixos no setor sofra um terceiro ano consecutivo de contração em 2024. O mercado imobiliário continua sendo um indicador crucial de confiança, servindo como um indicador-chave tanto para a economia quanto para os mercados financeiros. Portanto, o governo está ansioso para conter o mal-estar no setor imobiliário e impedir qualquer efeito colateral ou contágio.

No entanto, a tarefa em questão não é fácil. Permanece uma lacuna enorme entre as vendas acumuladas de imóveis e os números acumulados de conclusão, que não mostra sinais de redução. Essa tendência está levando a um enfraquecimento ainda maior das vendas, o que, por sua vez, aumenta a pressão sobre as incorporadoras. Em um esforço para recuperar a saúde do setor imobiliário, o governo lançou uma série de programas de estímulo. No início deste ano, os órgãos reguladores financeiros declararam que os bancos poderiam conceder empréstimos para imóveis comerciais às incorporadoras, permitindo que elas liquidassem outros empréstimos e títulos pendentes. O banco central também reduziu o índice de exigência para estimular os empréstimos e injetar liquidez na economia.

Aumento gradual das exportações

Depois de um período tumultuado no ano passado, a recuperação das exportações chinesas está mostrando indícios incipientes de aceleração. Em dezembro de 2023, as exportações chinesas tiveram um crescimento mais rápido, subindo 2,3% e superando o aumento de 0,5% observado em novembro. Os principais contribuintes para a melhoria dos números de exportação são os produtos eletrônicos e semicondutores, com a recuperação sendo estimulada por um aumento cíclico na demanda dos consumidores nos mercados estrangeiros. Além disso, o setor de veículos elétricos da China, que tomou o mundo de assalto, teve um crescimento exponencial. Esse é um dos setores em rápida expansão que estão surgindo como principais impulsionadores do crescimento das exportações.

Prevê-se que as exportações se estabilizem ao longo deste ano, atingindo uma taxa de crescimento que varia de 0 a 5 pontos percentuais. Uma tendência cíclica de crescimento saudável das exportações pode estar próxima. No entanto, é provável que alguns ventos contrários persistentes prejudiquem as perspectivas de exportação da China, incluindo a desaceleração econômica global e as barreiras comerciais.

Embora as cadeias de suprimentos estejam de fato sendo reimaginadas e remodeladas, o papel da China nas cadeias de suprimentos de alta tecnologia é indiscutivelmente muito arraigado para ser reformulado da noite para o dia. Portanto, é provável que a ascendência da China como potência manufatureira no mundo permaneça incontestável. A ascensão do país nas cadeias globais de valor, movendo-se a montante em direção a uma produção de maior valor agregado, sem dúvida terá efeitos em cascata sobre o restante dos participantes. Os recentes influxos de investimento nos países da ASEAN, na verdade, ilustram uma tendência crescente de fabricantes chineses ampliando suas cadeias de suprimentos. Isso se reflete no número recorde de bens intermediários comercializados entre a China e o Vietnã nos 11 meses iniciais de 2023, que totalizaram RMB 1,01 trilhão. Isso representou 69,8% de seu volume total de comércio.

Olhando para o futuro: A inovação como um novo motor de crescimento

Sem se intimidar com os diversos desafios que tem pela frente, a China está forjando um novo caminho de crescimento impulsionado pela inovação, à medida que continua a se livrar da dependência do setor imobiliário. Seu imperativo de inovação está se tornando mais pronunciado do que nunca. As iniciativas programadas para serem lançadas em 2024 têm uma orientação notavelmente científica e tecnológica. A aspiração da China de se destacar em tecnologias de ponta, como robótica avançada, inteligência artificial, tecnologia de veículos conectados e tecnologia da informação de nova geração, significa uma mudança decisiva para o cultivo de novas capacidades produtivas. A empresa está obstinadamente determinada a navegar rumo a uma nova realidade econômica e a se transformar em uma líder global em inovação tecnológica.

Em direção ao futuro, espera-se que a China aproveite ao máximo sua vantagem de inovação e assuma a liderança no desenvolvimento de tecnologias avançadas. De acordo com o Global Innovation Index 2023, a China liderou o campo, abrigando o maior número de clusters de ciência e tecnologia proeminentes. Com 24 clusters entre os 100 melhores, a China ultrapassou os Estados Unidos com 21 clusters. No passado, a China jogava um jogo frenético de catch-up em inovação, no qual buscava diminuir a diferença em relação às economias avançadas assimilando e remodelando tecnologias avançadas desenvolvidas no exterior. Mas esse manual é de tempos passados; a situação está mudando agora. Embora não haja espaço para complacência, a China está rapidamente deixando de ser um produtor de bastidores e emergindo como um criador de alta tecnologia.

Observações finais

Embora se espere que a China tenha uma recuperação cíclica modesta em 2024, ela deve acabar se resignando a uma taxa de crescimento mais lenta, entre 3% e 4%. É evidente que a economia da China está em um momento crítico e de forma alguma está fora de perigo. Outrora um dos pilares da economia chinesa, o setor imobiliário, já bastante abalado, está, no entanto, mostrando alguns sinais provisoriamente promissores de que está se recuperando lentamente. Como a China continua a se voltar para um modelo de crescimento baseado no consumo nos próximos anos, é provável que a inovação continue a ser um tema recorrente em sua narrativa econômica. A mudança de fabricante para inovador será o prenúncio de uma virada na sorte da China, definida pela proeza tecnológica.

Semelhante a um majestoso dragão com seu sopro ardente, a China foi despertada de um sono leve. Ela está pronta para assumir o formidável desafio de infundir vida nova em sua própria economia, dando início a um ressurgimento que alimentará o crescimento econômico global.