Pesquisar
Close this search box.

Hong Kong como um Importante Hub Global de Fintech: Desenvolvimentos no Ecosistema

O espírito pioneiro e indo contra o grão da fintech varreu os setores financeiro e bancário, remodelando completamente o cenário de produtos e serviços financeiros. No contexto da pandemia do COVID-19, o setor de fintech pode ter contrariado a tendência de queda: 2021 viu um número recorde de negócios de fintech em todo o mundo, com 5.684 negócios no valor de US$ 210 bilhões em investimento total. Inaugurando o futuro do trabalho e um novo modo de vida, a pandemia também acelerou uma aceitação e adoção mais ampla de soluções de tecnologia financeira.

Designada o terceiro centro financeiro mais importante do mundo, a principal cidade fintech da Ásia Global Fintech Ecosystem Rankings 2021, e classificada em segundo lugar em Competitividade Digital, Hong Kong deu passos gigantescos como um importante centro internacional de fintech e está prestes a fazer mais incursões no crescente mercado cena fintech. Hong Kong abriga mais de 600 empresas de fintech; 11 unicórnios, incluindo Airwallex, Amber Group, BitMEX, TNG e WeLab; mais de 160 bancos (com oito bancos virtuais); mais de 160 seguradoras (com quatro seguradoras virtuais); mais de 800 gestores de patrimônio e ativos; e mais de 700 corretores de títulos e futuros. Embora a pandemia tenha atingido duramente a economia, 41% das startups de fintech de Hong Kong conseguiram aumentar na rodada de arrecadação de fundos da Série A ou em um estágio posterior.

Hong Kong tem um ecossistema de fintech muito vibrante e maduro, em que os diferentes participantes, incluindo organizações governamentais, participantes do mercado e provedores de educação, muitas vezes juntam forças e colaboram entre si. De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong em 2022, as diferentes atividades nas quais os participantes do ecossistema se envolvem podem ser categorizadas em quatro tipos principais: regulamentação, apoio governamental, ambiente de negócios e talento.

 

Papel fundamental dos órgãos reguladores na promoção do desenvolvimento das fintechs
Ambiente Regulatório

Hong Kong não possui um estatuto abrangente específico para a regulamentação das atividades de fintech; em vez disso, essas atividades são regidas por uma série de leis e regulamentos existentes, como a Portaria Bancária, a Portaria de Combate à Lavagem de Dinheiro e Contra o Financiamento do Terrorismo, Portaria de Emprestadores de Dinheiro, Portaria de Sistemas de Pagamento e Instalações de Valor Armazenado e Portaria de Seguros. Dito isto, a natureza altamente regulamentada das atividades financeiras em Hong Kong significa que todos os negócios relacionados a fintech quase certamente estarão sob o mandato de supervisão da Securities and Futures Commission (“SFC”) e estarão sujeitos ao Securities and Futures Ordinance.

De um modo geral, os órgãos reguladores em Hong Kong são focados em risco e tecnologicamente neutros, optando por uma abordagem baseada em divulgação. Isso permite mais flexibilidade no desenvolvimento de novos produtos e serviços de fintech, além de evitar sufocar desnecessariamente a inovação com regulamentação excessiva. Sob uma abordagem baseada em divulgação, as fintechs são obrigadas a fornecer informações corretas e confiáveis para que os consumidores possam tomar uma decisão informada ao escolher produtos e serviços financeiros.

 

Iniciativas de Sandbox

Vale ressaltar que os órgãos reguladores também lideraram iniciativas de colaboração com contrapartes locais e estrangeiras para aumentar a competitividade de Hong Kong como um hub global de fintech. Além disso, sandboxes regulatórias foram criadas para oferecer uma plataforma segura para testes piloto, ajudando os empreendedores a comercializar suas inovações de fintech. Depois de Londres e Cingapura, Hong Kong está entre os primeiros centros financeiros internacionais a introduzir iniciativas de sandbox. A SFC, a Autoridade de Seguros e a Autoridade Monetária de Hong Kong (“HKAM”) estabeleceram sandboxes. Em janeiro de 2022, o sandbox HKAM havia testado 236 produtos em comparação com 199 no ano anterior. Foi anunciado no orçamento de 2020-21 que o HKMA estaria atualizando seu programa sandbox, acelerando o lançamento de produtos e implementando acordos de verificação e financiamento únicos.

 

“Fintech 2025”

Em junho de 2021, a HKAM apresentou sua estratégia “Fintech 2025”, que marca outro marco no desenvolvimento de fintechs de Hong Kong. Seu objetivo é incentivar as organizações do setor financeiro a adotar a tecnologia de forma abrangente até 2025 e promover a prestação de serviços financeiros justos e eficientes. Como Eddie Yue, CEO da HKAM, observa: “As Fintechs são, sem dúvida, um importante motor de crescimento para o setor financeiro na era pós-pandemia, e agora é o momento certo para dobrar nossos esforços para entender o oportunidades. A Fintech 2025 estabelece nossa visão a esse respeito.” A estratégia compreende cinco áreas principais:

  1. “Todos os bancos são fintech”: o HKAM deve continuar seus esforços para promover uma adoção generalizada de fintech e digitalização – do front-end ao back-end;
  2. “Hong Kong à prova de futuro para moedas digitais do Banco Central (“CBDCs”)”: por meio da consolidação de seu trabalho de pesquisa, o HKAM deve melhorar a prontidão de Hong Kong na emissão de CBDCs no comércio atacadista e varejista;
  3. “Criando a infraestrutura de dados de próxima geração”: a HKAM estará na vanguarda do fortalecimento da infraestrutura de dados de Hong Kong, bem como na construção de novas, como um intercâmbio de dados comerciais, uma entidade corporativa digital e uma plataforma de compartilhamento de dados de crédito baseada em DLT;
  4. “Expandindo a fintech– com a experienteforça de trabalho”: Para lidar com a escassez de talentos em fintech, a HKAM deve colaborar com diferentes parceiros estratégicos para cultivar a próxima geração de talentos em fintech, lançando várias iniciativas e programas;
  5. “Nutrindo o ecossistema com financiamento e políticas”: o HKAM, juntamente com outros atores-chave da indústria, deve criar um novo Grupo de Coordenação entre Agências Fintech para elaborar políticas favoráveis ao ecossistema fintech.

 

Suporte do Governo

Apoiando as fintechs de todos os estágios, sejam elas startups iniciantes, aquelas prontas para escalar ou se tornarem globais, o governo de Hong Kong sempre foi um fervoroso defensor da fintech. Ele destina uma quantidade significativa de financiamento para pesquisa e desenvolvimento. Desde 2017, o governo forneceu financiamento no valor de US$ 12,8 bilhões para reforçar a inovação e o desenvolvimento tecnológico em Hong Kong. Em fevereiro de 2021, 19.832 projetos receberam aprovação do Fundo de Inovação e Tecnologia com um valor total de US$ 29 milhões.

Um exemplo de esquema financiado pelo governo é o Fintech Proof-of-Concept Subsidy Scheme lançado pelo Financial Services and Treasury Bureau em 2021, cujo objetivo é promover a colaboração entre instituições financeiras tradicionais e empresas de fintech para incentivar o desenvolvimento de provas Projetos conceituais em prol da inovação. Sujeito à aprovação, cada projeto pode receber uma doação de até US$ 20.000.

 

Nova faixa adicionada ao Programa Global Fast Track da InvestHK

O Global Fast Track Program é outro exemplo notável que fornece às fintechs elegíveis apoio financeiro de até US$ 2,6 milhões, independentemente do resultado do pitch. Lançado inicialmente em 2020, é uma iniciativa voltada para os negócios, que visa facilitar as fintechs locais e estrangeiras a alavancar a resiliência do mercado de Hong Kong e aproveitar as inúmeras oportunidades de fintech. Sob a iniciativa original, startups de fintech elegíveis tiveram a oportunidade de apresentar suas ideias inovadoras ao HKAM ao lado de representantes seniores de campeões corporativos, incluindo Hong Kong Exchanges and Clearing, Allianz Group Investors, Chow Tai Fook Jewellery Group, Mizuho Bank e Microsoft.

Mais recentemente, uma nova faixa de Moeda Digital do Banco Central (“CBDC”) foi adicionada ao programa, convocando empresas de fintech das oito áreas a seguir para enviar aplicativos: adoção de CBDC de varejo e atacado, dinheiro programável, interoperabilidade, privacidade, segurança cibernética , câmbio e gestão de líquidos e pagamentos offline. Os candidatos pré-selecionados precisarão apresentar suas ideias inovadoras e disputar o Prêmio de Melhor Caso de Uso, Prêmio de Melhor Tecnologia e Prêmio de Melhor Ecossistema. Além disso, os candidatos elegíveis terão a chance de colaborar com o HKAM em trabalhos de pesquisa e pilotos para contribuir para o desenvolvimento de CBDCs em Hong Kong.

 

Ambiente de negócios favorável ao crescimento das fintechs

O apelo de Hong Kong para as empresas de tecnologia financeira está em seu cenário de financiamento inicial maduro, infraestrutura financeira e digital robusta, regime tributário competitivo e favorável aos negócios e livre fluxo de capital sem controles cambiais. Além disso, Hong Kong oferece um ambiente propício à cocriação e colaboração entre provedores de serviços financeiros tradicionais e fintechs. Em vez de ver o advento das fintechs como uma ruína, o setor bancário em Hong Kong foi muito rápido na aceitação da necessidade de adotar a digitalização. Na verdade, ela desempenha um papel central na direção do desenvolvimento das fintechs. 86% dos bancos em Hong Kong já adotaram ou planejam adotar soluções de fintech, que incluem o seguinte: inteligência artificial, chatbots para aumentar o atendimento e a experiência do cliente, blockchain para aumentar a segurança das transações e big data para ajudar os bancos a criar um melhor imagem do mercado e das necessidades de seus clientes.

 

Atrair e cultivar talentos de fintech

Infelizmente, a escassez de talentos locais qualificados tem sido um problema persistente, levando a uma alta rotatividade no setor. Para agravar a situação, 60% das empresas de fintech preferem empregar talentos nacionais. Em uma tentativa de atrair talentos internacionais para Hong Kong, o governo lançou vários esquemas, por exemplo, o Global STEM Professorship Scheme e o Technology Talent Admission Scheme, mas a pandemia do COVID-19 jogou uma chave inglesa nos trabalhos, dificultando a mobilidade e as viagens. Como resultado, o número de candidatos da China continental sob o Esquema de Talentos e Profissionais do Continente também diminuiu pela metade em 2020. Espera-se, no entanto, que a integração econômica mais próxima de Hong Kong com a Grande Área da Baía (“GBA”) tenha um impacto positivo nas trocas de talentos internacionais.

Para cultivar a próxima geração de talentos em fintech, as universidades de Hong Kong têm oferecido mais programas de graduação e pós-graduação relacionados a fintech. Em maio de 2021, existem 12 cursos de graduação e pós-graduação com temas de fintech oferecidos pelas sete universidades de Hong Kong, um dos quais é um doutorado pioneiro relacionado a fintech (DFinTech), oferecido pela Universidade Politécnica de Hong Kong.

 

Estudos de caso: Hong Kong como plataforma de lançamento para capturar oportunidades no GBA e além
Airwallex

Avaliada em US$ 5,5 bilhões e nomeada para a lista Forbes Cloud 100 pelo terceiro ano consecutivo, a Airwallex é um unicórnio fintech que fornece serviços de pagamento transfronteiriços econômicos e eficientes, permitindo que as empresas criem contas em várias moedas, criem cartões de pagamento em várias moedas, sincronize dados de despesas e transações com o software de contabilidade em nuvem Xero, faça pagamentos internacionais rápidos e de baixo custo e gere links para pagamento instantâneo.

As transações internacionais têm sido tradicionalmente frustradas por barreiras e altos custos; foi, no entanto, precisamente este desafio que deu origem à Airwallex. Sua missão é facilitar a expansão internacional de marketplaces, vendedores online e PMEs, construindo uma infraestrutura financeira global com tecnologia de ponta.

Inicialmente fundada na Austrália em 2015, a Airwallex mudou sua sede para Hong Kong em 2018. Ela agora cresceu para mais de 1.000 funcionários com 19 escritórios internacionais em 11 territórios. De acordo com Jacky Zhang, cofundador e CEO da Airwallex: “Acreditamos que Hong Kong seja o local ideal para ser nossa sede. Hong Kong é um centro financeiro internacional onde podemos atender nossos clientes globais em todo o mundo.” O Sr. Zhang também aponta a proximidade com seus clientes como uma razão para a mudança. A partir de sua base em Hong Kong, a Airwallex pode atender melhor às necessidades das PMEs sediadas na região da Grande Baía que estão negociando em plataformas de comércio eletrônico.

 

BYFIN (SBI Holdings)

Com sede em Hong Kong, a BYFIN é uma subsidiária da SBI Holdings – um grupo japonês de empresas de serviços financeiros. Em colaboração com uma fintech sediada em Cingapura, a BYFIN lançou uma plataforma de financiamento da cadeia de suprimentos de nível profundo em 2021. A principal força motriz por trás desse novo empreendimento foi o desejo de abordar as interrupções na cadeia de suprimentos provocadas pela pandemia, que causou atrasos nas remessas, aumento dos custos de transporte e aperto no fluxo de caixa dos fornecedores, de acordo com Min Zhu, CEO da BYFIN. O seu mercado-alvo são principalmente as PME na China continental e em Hong Kong que se dedicam ao comércio de importação e exportação. Zhu acrescenta que, como o financiamento da cadeia de suprimentos gira em torno da economia real, a aplicação prática dessa área de fintech está inextricavelmente ligada ao papel de Hong Kong como centro internacional de comércio e logística.

A BYFIN tem presença em Hong Kong e em Shenzhen. A conectividade de primeira classe de Hong Kong com o resto do GBA é o motivo pelo qual a BYFIN está sediada na cidade. O Sr. Zhu observa: “Para nós, Hong Kong é uma excelente ponte para o investimento estrangeiro na China continental, especialmente na GBA, onde as atividades comerciais estão prosperando. O PIB da província de Guangdong sozinho já supera o de muitos países. Hong Kong serve como porta de entrada para o GBA, ajudando empresas financeiras como nós a capitalizar as oportunidades de negócios que surgem.”

 

Futu Securities

A Futu Securities é uma fintech que se dedica principalmente à negociação de ações, com sede em Hong Kong e operações de back-office em Shenzhen. De acordo com Arthur Chen, diretor financeiro da Futu Securities, Hong Kong foi a escolha óbvia para uma plataforma de lançamento para expandir globalmente, dado seu status de centro financeiro internacional líder, sua estrutura regulatória robusta e eficiente, bem como sua transparência e sistema jurídico sólido. Atravessando os dois lados da fronteira, a Futu Securities conseguiu explorar as piscinas de talentos de Hong Kong e Shenzhen. Atualmente, possui mais de 1.000 funcionários, com a maioria de sua equipe baseada em Shenzhen e aqueles que realizam trabalhos de conformidade, marketing e desenvolvimento de mercado em Hong Kong.

A Futu Securities é licenciada pela SFC desde 2012 e recebeu seu primeiro lote de licenças bancárias virtuais emitidas pela HKAM em 2018. Seus esforços louváveis na promoção do desenvolvimento de fintechs em Hong Kong, juntamente com os órgãos reguladores locais, têm sido um trampolim integral para atrair a atenção e a aprovação de investidores dos EUA e de outros países. Ter estabelecido um excelente registro de negócios e conformidade em Hong Kong facilitou muito sua expansão nos mercados globais.

A Futu Securities possui uma ampla rede de negócios em todo o GBA; os principais usuários de sua plataforma vêm de outras cidades do GBA, que necessitam de assistência na gestão de seus ativos no exterior. O Sr. Chen expressa otimismo em relação ao desenvolvimento futuro da GBA e o papel de Hong Kong na captura de oportunidades de crescimento adicional dentro da GBA.

 

Daqui para frente: impulsionando a competitividade de Hong Kong como um hub de fintech

Para manter e aprimorar sua vantagem competitiva, Hong Kong precisará considerar cuidadosamente como gerencia o delicado equilíbrio entre promover a inovação e promover a concorrência, por um lado, e proteger consumidores e investidores por meio da imposição de restrições regulatórias, por outro. O papel a que Hong Kong deve aspirar é um sandbox internacional de fintech, onde os fintechs de todos os cantos do mundo podem desenvolver, testar e lançar suas soluções inovadoras.

Índice

O senhor tem alguma dúvida?

Se o senhor tiver alguma dúvida sobre o conteúdo deste artigo, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco pelo e-mail cw@cwhkcpa.com ou pelo formulário fornecido abaixo.

Explore mais tópicos

Siga-nos